domingo, 23 de junho de 2013

RESUMO SOBRE O ENCONTRO DO PERDÃO:

RESUMO SOBRE O ENCONTRO DO PERDÃO:



- Perdoar não serve para beneficiar o ofensor, mas o ofendido. Quem perdoa anula consequências futuras de danos psíquicos e orgânicos.

- Perdoar não é uma obrigação. É uma decisão consciente. Aquele que perdoa deve fazê-lo porque vê um sentido maduro em sua ação. Caso contrário, não é perdoar. 

- Perdoar não significa ficar instantaneamente bem após a ofensa. Muitas vezes, dizemos em seguida a uma agressão: "Tudo bem. Não me afetou. Já esqueci". Mentira. Um fenômeno de fuga do ego conhecido como racionalização. Muito perigoso pois nega a verdade dos fatos e a "panela de pressão" continua lá em seu apito surdo. Cuidado!

- Perdoar não significa que depois se deve viver "como se nada tivesse acontecido". Quando perdoamos, reservas e feridas ainda podem permanecer e pedem tempo para se dissiparem. Respeitemo-nos!

- Perdoar não é, propriamente, caridade para com o outro. É, sobretudo, bom senso para consigo. Quem conquista diluir o mal que recebeu é vitorioso sobre si mesmo. E isso basta. Ao outro cabe a auto-avaliação.

- Perdoar não livra o ofensor do cárcere de débitos, mas liberta o ofendido das algemas do ódio. Não há nada mais expressivo no campo da liberdade e da paz do que deixar ao ofensor o caminho da própria consciência. 

- Perdoar não é esquecer o "fato", mas o "mal" que o fato provocou. Quem tenta esquecer o fato perde a chance de aprender a lição. Quem aprende a dissipar o sentimento negativo que desenvolveu em relação ao ofensor, retém a lição e guarda o fato nas câmaras do seu próprio silêncio.

-Perdoar não é "deixar pra lá", negando-se a reivindicar os próprios direitos e necessidades. Se necessitamos recorrer a justiça para alcançar certos fins que são perfeitamente lícitos e éticos, devemos fazê-lo. Sem, contudo, submeter o ofensor a qualquer dano ou prejuízo destacado do consta no próprio direito por lei.

- Perdoar não significa submeter-se a tudo sem se queixar, para que não se insira em uma patologia conhecida como "Síndrome da Gata Borralheira", na qual a dependência afetiva misturada ao ódio são os ingredientes do amor enfermo.

- Perdoar não exige que se permaneça ao lado de alguém com quem se está infeliz. Ninguém precisa ficar ao lado de quem não quer. Mas, precisa respeitar o eixo de vida dentro do qual reside este outro.

- Perdoar não carrega a imagem condescendente do "eu mereço", isto é, "este fato doloroso me aconteceu porque sou um devedor da lei de Deus. Então, mereci o sofrimento. Por isso, devo perdoar". O nome disso é masoquismo. A Lei Soberana não se utiliza da violência para corrigir.

- Na esfera do perdão sempre questionamos: "E como fica aquele que me agrediu? Nada vai acontecer com ele?". A pergunta mais nobre é: "O que aconteceria comigo se ficasse continuamente magoado? Quantos prejuízos adicionais isso acarretaria para mim?". Muitos! Desânimo, má vontade, rendimento baixo nos relacionamentos, no trabalho, etc. E isso o ofensor não merece acompanhar.

Concluindo: Perdoar é amar a si mesmo! Perdoar é sintonizar com Deus nos Seus objetivos de paz! Perdoar é iniciar o exercício de "amar os inimigos" que não significa, conforme propõe Kardec, viver alegremente ao lado do ofensor. Requer apenas "não lhe desejar o mal" e "fazer a ele todo o bem possível", em pensamento e atos, o que está muito longe de representar o mesmo afeto que se tem pelos que nos amam.

(retirado da palestra de Aldeniz Leite)

good feeling

Adam Pash Editor-in-Chief of Lifehacker https://www.ebanx.com/br/ebanx-dollar-card?referral_code=FB4699887J&referral_name=Mario  Mario Souza na Doctoralia

Pesquisar este blog

Páginas

O outro que há em mim é você.!

Minha foto
São Paulo, São Paulo, Brazil
Uso esse blog para compartilhar minhas reflexoes assim como artigos de interesse em geral. Tratar de assuntos ligado a saúde biopsicossocial.

patrocinadores

 Mario Souza na Doctoralia